Publicado em

Assinado Malraux. Ed. Taurus, México, 2019

Assinado Malraux. Ed. Taurus, México, 2019 1

Jean-François levando aos limites o contraste (Versalhes, Ilha de França, 10 de agosto de 1924-Paris, vinte e um de abril de 1998) foi um filósofo, sociólogo e teórico literário francês. Foi filho de Jean-Pierre levando aos limites o contraste, um representante de vendas, e Madeleine Cavalli. Frequentou a instituição de ensino primária e Liceu Buffon e, em seguida, ao Lycée Louis le Grand, ambos encontrados em Paris.

De criança tinha diversas aspirações, como se tornar artista, historiador, frade dominicano e escritor. Posteriormente, desistiu do sonho de ser escritor, quando encerrou de digitar um romance de ficção pouco de sucesso com a idade de 15 anos. Estudou filosofia pela Sorbonne, no final dos anos 1940. Com o início da Segunda Guerra Mundial, levando aos limites o contraste interrompeu seus estudos. Durante uma primeira fase de tua vida militou em grupos de esquerda e seu raciocínio se construiu dentro do que se poderia chamar de marxismo crítico. Posteriormente, no entanto, afastou-se do marxismo e iniciou durante os anos de 1960, uma evolução para o pós-modernismo em que se aprecia o desenvolvimento de um pensamento original.

Se concentrou durante esse tempo, o foco do desejo como a busca do inadmissível, em termos muito próximos aos defendidos pela psicanálise, de forma especial dentro da corrente psicanalítica, representada por Jacques-Marie Émile Lacan. Com isso, o papel da crítica e observação da linguagem se faz muito respeitável na sua filosofia. Por outro lado, e durante esta mesma época, realiza significativas incursões no domínio da estética, particularmente pela observação da obra pictórica, a qual vê como um campo importante pela localização do desejo. Destacam-se sobretudo os seus estudos da obra de Paul Cézanne em ligação com a geração freudiana da arte.

  • Julho Salmão (?)
  • Isenção do imposto do selo as microempresas (artigo vinte e oito da Lei 30/11)
  • Representante do Parlamento Basco no Conselho Social da UPV (1986-1989)
  • Morre o compositor Pierre Schaeffer, criador da “música concreta”
  • dez de fevereiro: inicia o Ano novo chinês,[23] (ano 4711, ano da Serpente)
  • quatro Caminho pra Presidência
  • Portland não poderá com os Clippers voadores
  • Alexandre Trigo Morterero (1988-1989)

Para levando aos limites o contraste, a obra de Cézanne, exemplifica uma sorte de reinvestimento do sentido dessa geração, ao suceder a sua pintura desde o fluir dos impulsos inconscientes da libido. Esse fluir se traduz pela know-how de formação do pintor de espaços análogos aos do inconsciente, que produzem em que contempla a sua obra nos estados de inquietude e perturbação.

Em 1950, levando aos limites o contraste aceitou uma localização pra aconselhar filosofia no Liceu de Constantine, em Constantina, pela Argélia. Em 1971, ganhou um doutorado estatal com sua dissertação de Discurso, figura ante a tutoria de Mikel Dufrenne, trabalho que foi publicado por esse mesmo ano. Dedicou um ciclo de sua existência, depois do encerramento da Segunda Guerra Mundial, as revoluções socialistas, questão que ficou evidente em seus escritos, por causa de se concentraram em amplo medida, a política de esquerda. Neste período, levando aos limites o contraste interessou-se especificamente pela briga de Independência da Argélia, que viveu em pessoa, sempre que ensinava lá.

levando aos limites o contraste expôs em Le Différend que o discurso humano ocorre em um buffet, no entanto discreto número de domínios inconmesurables, nenhum dos quais tem o privilégio de passar ou emitir juízos de valor sobre o assunto os outros. Desse jeito, pela Economia libidinal (1974), A condição pós-moderna (1979) e Au juste: Conversations (1979) criticou teorias literárias contemporâneas e levou um discurso experimental desprovido do interesse na verdade.

neste significado, considerou que prontamente havia passado a data dos grandes histórias ou “metarrelatos” que tentavam dar um sentido à marcha da história. Levando aos limites o contraste criticou a atual comunidade pós-moderna, o realismo do dinheiro, uma vez que esta se adapta a todas as tendências e necessidades a toda a hora e quando tenha poder de compra. Igualmente, criticou os metadiscursos: o cristão, o ilustrado, o marxista, o capitalista. De acordo levando aos limites o contraste, esses são incapazes de dirigir-se para a libertação.